A Depressão é um doença psiquiátrica, crônica, que causa uma alteração no humor caracterizada por uma profunda tristeza, desencanto, desesperança, baixa autoestima, sentimento de culpa, alteração do sono e do apetite.

Estima-se que a Depressão afete cerca de 350 milhões de pessoas no mundo. Porém nem todas essas pessoas são afetadas da mesma forma, uma vez que podemos ter quadros com intensidade e duração variadas. Casos graves de depressão podem levar o paciente a tomar atitudes extremas, como o suicídio. Daí a importância de procurar o quanto antes atendimento médico especializado. Assim como grande parte das outras doenças, a depressão não “escolhe” alvos específicos. Homens e mulheres, crianças, adultos e idosos podem ser acometidos por essa patologia.

Uma das principais dificuldades enfrentadas por quem sofre de depressão é entender e fazer com que os outros entendam que ela não é “frescura”, mas sim uma doença. Isso significa que precisa ser tratada por um psiquiatra, capaz de orientar e, se necessário, medicar adequadamente o paciente. A psicoterapia em conjunto pode ser muito útil, mas o tratamento médico é essencial.

DEPRESSÃO NÃO É “FRESCURA”. É UMA DOENÇA!

Claro que é preciso aqui deixar claro a diferença entre depressão e tristeza. Todos nós, quando diante de situações difíceis e desagradáveis, quando perdemos alguém querido, quando sofremos alguma dificuldade, podemos ficar tristes. Entretanto, nas pessoas sadias, diferentemente do indivíduo com depressão, a tristeza é superada. O indivíduo com depressão sente uma tristeza que muitas vezes é sem um motivo específico e não é superada sem auxílio médico.

Além do sentimento de tristeza e do estado deprimido, são sintomas comuns na depressão: alteração de peso (perda ou ganho); distúrbio de sono (insônia ou sonolência excessiva); agitação ou apatia, quase todos os dias; fadiga ou perda de energia constante; culpa excessiva (sentimento permanente de culpa e inutilidade); dificuldade de concentração; ideias suicidas (pensamentos recorrentes de suicídio ou morte); baixa autoestima e alteração da libido.

Uma grande barreira ao tratamento é que muitos pacientes tem preconceito com relação ao fato de procurar um psiquiatra. Por vergonha ou medo de que conhecidos fiquem sabendo, pacientes evitam procurar ajuda ou perdem um apoio importante dos entes queridos.

Existem algumas recomendações que podem ser muito úteis para o indivíduo com Depressão e a seus familiares:

– Depressão é uma doença como qualquer outra. Não é sinal de loucura, nem de preguiça ou de irresponsabilidade. Se você anda desanimado, triste e, especialmente, se isso acontece sem uma causa evidente, procure assistência médica. O diagnóstico precoce é sempre o melhor caminho;

– Depressão pode ocorrer em qualquer fase da vida: na infância, adolescência, maturidade e velhice. Os sintomas podem variar conforme o caso. Nas crianças, muitas vezes são erroneamente atribuídos a características da personalidade e nos idosos, ao próprio envelhecimento. Não menospreze os sintomas. Em caso de dúvida, procure um psiquiatra;

– Não esconda seus sintomas nem sua doença de sua família. A família dos portadores de depressão precisa manter-se informada sobre a doença, suas características, sintomas e riscos. É importante que ela ofereça um ponto de referência para certos padrões, como a importância da alimentação equilibrada, da higiene pessoal e da necessidade e importância de interagir com outras pessoas.

– Não tenha preconceito: Depressão é uma doença e o Psiquiatra é o profissional mais habilitado a fazer o diagnóstico dessa doença e tratá-la. Não exite em procurar um Psiquiatra se achar que você pode estar com Depressão.

A HIPNOTERAPIA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO

Na hipnose, conseguimos com a ajuda do cliente, buscar a origem que desencadeou tudo isso. Buscamos a primeira gota que foi colocada no balde. A causa de tudo normalmente é um evento inofensivo (aparentemente) que aconteceu na infância.

Assim que essa razão causadora é descoberta, entendida e neutralizada, não há mais motivos para a mente e/ou o corpo funcionar de forma desequilibrada. Então a química cerebral começa a se regular, os hormônios começam a voltar ao normal, tudo de forma natural. Alias, se o corpo pode alterar sozinho o funcionamento orgânico e fisiológico na primeira vez, porque não poderia alternar novamente para o estado normal?

É importante frisar que nós, hipnoterapeutas, trabalhamos junto com o cliente, a um nível profundo na mente dele. Buscando a capacidade natural de autocura de seu próprio corpo. Por isso não indicamos remédios, nem recomendamos alterar dosagens sem antes consultar o médico. Na verdade, não é nem tão importante o “rotulo” que deram para o conjunto de sintomas do cliente, pois nós vamos trabalhar na raiz do problema.

A solução pode ser mais rápida e fácil do que parece

Temos a tendência de pensar que pelo fato da doença ser muito grave, a solução é demorada, complicada. Não!

Demora o tratamento da depressão com hipnose? Muitas vezes, em apenas uma sessão (intensa) é possível ajudar casos gravíssimos, até mais “complicados” que o caso da Ana no vídeo.

Quer achar um hipnoterapeuta capaz de ajudar você ou uma pessoa que você conhece a se livrar desse problema? Acesse o OMNI Finder. E, para finalizar, eu adoraria saber a sua opinião sobre esse artigo.

Deixe um comentário logo abaixo sobre o que você mais gostou nesse artigo, ou sobre alguma curiosidade extra que você deseja compartilhar conosco ou até mesmo alguma crítica sobre esse texto.

WhatsApp WhatsApp